Quinta-feira , 19 de Setembro de 2019

MÍDIA CENTER

Antonio Henrique Jr. defende implantação de alas femininas em unidades prisionais

Publicado em: 23/05/2019 18:41
Setor responsável: Notícia

Divulgação/AgênciaALBA
O encarceramento feminino é uma das preocupações do deputado Antonio Henrique Jr. (PP), que apresentou, na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), uma indicação direcionada ao governador Rui Costa para que proceda a implantação de alas femininas em todas as unidades prisionais do Estado da Bahia.


Segundo relata o progressista, dados da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária e Ressocialização revelam que a Bahia tem 15,5 mil presos, recolhidos em 25 unidades prisionais, sendo que apenas nove custodiam mulheres e só uma unidade é específica para mulheres, o Conjunto Penal Feminino de Salvador. 

Para justificar a situação de carência de alas femininas nas unidades prisionais, Antonio Henrique Jr. toma como exemplo Barreiras. O parlamentar conta que as mulheres detidas na cidade, em caráter provisório, são direcionadas à carceragem no município vizinho de Riachão das Neves, que fica a 60 km. 

Após a sentença, prossegue o deputado, as detidas são encaminhadas ao Conjunto Penal Feminino, na capital baiana, "para cumprir pena a uma distância de 900 km de sua cidade de origem, o que dificulta a visitação familiar". 

Na sua indicação, o legislador garante que esta é uma situação que se aplica também a outros 86 municípios de diversas regiões, onde a população carcerária feminina "é retirada do seu local de origem e muitas vezes ficam detidas em instalações improvisadas e longe do local onde moravam". 

Concluindo, Antonio Henrique informa que a população carcerária feminina vem crescendo muito nos últimos tempos, chegando atualmente a 604 detidas em todo o estado. Ele está convencido de que a implantação de alas femininas em todas as unidades prisionais  "vai permitir uma melhor qualidade de vida para as detentas, diminuir as recorrentes denúncias de violação de direitos e promover uma maior ressocialização".




Compartilhar: