Terça-feira , 19 de Março de 2019

DETALHE DA NOTÍCIA

Parlamentares fazem ato em homenagem a Marielle Franco

Publicado em: 13/03/2019 21:42
Setor responsável: Notícia

 
Nesta quinta-feira (14), faz um ano do assassinato da vereadora carioca Marielle Franco e do seu motorista Anderson Gomes. Durante a sessão ordinária realizada nesta quarta (13), no plenário da Assembleia Legislativa da Bahia, a bancada do PT se vestiu com camisas que levavam a mensagem: “Quem mandou matar Marielle”. O ato, apoiado por outros parlamentares de diferentes partidos, foi uma homenagem à memória da legisladora que era conhecida pela luta em defesa da minoria e dos direitos humanos.

O líder da bancada petista, deputado Marcelino Galo, em discurso na tribuna, falou sobre a ação, que contou ainda com placas e cartazes que levavam o rosto da vereadora. “As perguntas que temos que fazer é ‘quem mandou matar Marielle?’, ‘como funciona o negócio da milícia?’, ‘como funciona o lobby das armas?’”, enumerou o parlamentar.

O deputado Jacó (PT) também falou da homenagem e mencionou a sessão especial que vai ocorrer hoje na Casa. “Eu gostaria de parabenizar a Assembleia Legislativa, porque nesta quinta vai acontecer a sessão especial por um ano da morte da vereadora Marielle Franco. A morte de Marielle foi um crime brutal”, considerou.

O petista Robinson Almeida repercutiu a prisão dos prováveis assassinos de Marielle Franco e mostrou-se preocupado com uma possível interdição do trabalho investigativo: “Quem mandou matar Marielle? Essa resposta não pode ser interditada. Porque hoje já surgem rumores que o delegado que conseguiu desbaratar e encontrar os assassinos será retirado do processo de investigação”.

Presidente da Comissão dos Direitos da Mulher, a deputada Olívia Santana (PC do B) engrossou o coro de cobrança por apuração da morte da legisladora. “Marielle foi assassinada de maneira brutal. A grande pergunta ainda hoje é ‘quem mandou matar Marielle?’”, indagou.
Aderbal Caldas (PP) se associou aos discursos sobre a morte da vereadora, dizendo-se, “de certa forma, feliz por ver identificados os criminosos, e ansioso para que se descubra e se prove os mandantes desse horrendo crime”.

Integrante da bancada petista, Fátima Nunes enfatizou a importância do ato realizado pelo grupo no plenário. “Se a gente ficasse aqui nessa tribuna em silêncio, apenas com essa camisa, já estaria representando a dor que o Brasil vive. Hoje, nós lembramos com muita dor, saudade e indignação do assassinato da companheira Marielle e do seu motorista Anderson”, descreveu. 

Para Maria del Carmem (PT), o momento é de clamar por justiça. “Ela perdeu a vida de uma forma tão bruta, três meses se planejando a morte. Mas Marielle vive, está presente aqui conosco, porque representa a coragem, a determinação e a garra”, disse a deputada.



Compartilhar: